O inesquecível


(nunca se repete o inesquecível)

Nunca se vive de novo o que só se vive uma vez.
E um amor só se vive uma vez. Aquela vez.

A vez em que junto ao carro, naquele meio-dia caótico de trânsito e de buzinas, me pediste perdão – tu que nem me conhecias a pedires-me perdão. E eu sem saber de quê, porquê. E tu a dizeres-me: por só te ter descoberto agora, o que andei a fazer este tempo todo até te encontrar?

Soube que era tua assim que me disseste que eras meu.

E nem precisámos de palavras. Ouvia-se um silêncio intocável por dentro do caos. Agarraste na minha mão e levaste-me contigo, vimos o mar, o rio a entrar no mar, os monumentos todos que já tínhamos visto dezenas de vezes mas nunca um com o outro e por isso nunca os tínhamos visto afinal, a cidade em hora de ponta foi a cidade mais linda de sempre (ainda sinto o mundo parar quando o semáforo fica vermelho, à espera de que, como nesse dia, me olhes nos olhos e me peças perdão sem eu saber porquê; e depois, nesse dia, tu disseste-me “por te beijar sem autorização”, e beijaste-me, tantas pessoas à volta sem saberem que a melhor parte da minha vida estava a acontecer, se soubessem aplaudiriam, tenho a certeza; só a felicidade se deveria aplaudir).

Fomos exactamente o que só poderíamos ser e por isso mesmo o que nunca deveríamos ter sido.

Pedro Chagas Freitas, in Prometo Perder

Advertisement

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s